segunda-feira, 25 de junho de 2012

Mão Esquerda no Violão

Detalhe Importante - Tudo que procurei escrever até agora, trata-se da forma Erudita de tocar violão. As técnicas desenvolvidas para tal devem ser de conhecimento de todos aqueles que desejam se aprimorar neste estudo (infinito, diga-se de passagem). Se irá utilizar ou não estas técnicas, isso é posterior ao fato de ter que saber usá-las e inerente a cada um. Para deixar bem claro, use se quiser, quando quiser, na jeito que quiser, SE quiser.

Começando, há algum tempo - Setembro de 2009 - escrevi um Post sobre o posicionamento da mão direita sobre o Violão. Relembre-se aqui. E é óbvio que ficou faltando a mão esquerda, completando o par de vaso.


No ano passado, resolvi fazer um exame físico completo para ver o que já se desgastou no esqueleto. E para minha grata surpresa, tirando o fato que estou com TubercuLepraCancerosaSifiliticaAidética no mais está tudo em ordem.  Aproveito para colocar a radiografia da minha mão esquerda aqui para provar que está tudo normal. Brincadeiras a parte, a Polidactilia, doença genética que deforma e/ou acrescenta dedos das mãos e dos pés, infelizmente é uma realidade.

A posição correta da mão esquerda é o resultado do equilíbrio entre os pés, joelhos, bacia, coluna, ombros, antebraço e pulso. Fácil de entender. Afinal de contas se estiver corretamente sentado não tem como errar. Tudo bem tocar de forma relaxada em um ambiente do tipo barzinho, muito que raramente. Só que este tipo de malabarismo tende a forçar demais os ligamentos. Aí começa a surgir LER e Dort e já é meio caminho para dificultar a técnica ou mesmo impossibilitar a continuidade do estudo. Tocar da forma mais relaxada possível é a chave para se tocar bem e por longos períodos.

Procurei na Internet uma foto que fosse o mais próxima possível do equilíbrio mencionado no parágrafo anterior e por incrível que pareça, a foto aqui do lado exemplifica muito bem. Note, que ele está sentado com um Banjo no colo, provavelmente usando uma faixa que sustenta o instrumento nesta posição. Ombros estão alinhados, o antebraço e o braço direito caído em uma posição natural. E a mão direita com os dedos estão praticamente perpendicular as cordas. O antebraço e o braço esquerdo, estão livres para movimentar o cotovelo, quando se fizer necessário e o mais importante o pulso está em uma posição relaxada, fazendo com a mão somente se movimente sem tensão. Até podemos observar o dedo polegar esquerdo um pouco acima da escala, porém, o braço deste instrumento é bem mais fino do que um violão normal. Talvez tenha a proximidade de um braço folk/guitarra.


Para facilitar a vida de todo mundo, da mesma forma que se padronizou a mão direita em P-I-M-A (Polegar, Indicador, Médio e Anelar), numerou-se os dedos da mão esquerda em 1, 2, 3 e 4 (1 Indicador, 2 Médio, 3 Anelar e 4 Minguinho). Assim quando falamos de um determinado dedo não há como não saber em que mão ele se encontra. Acostume-se com este esquema, pois, ele vai nos perseguir pelo resto das nossas vidas.
Encontrei dois desenhos esquemáticos a seguir, em um site de nome The Sakari Trilogy System. Não consegui entender a metodologia envolta neste site, pois praticamente tem que pagar para ver qualquer coisa. O interessante aqui ao lado, é que é um ângulo o qual é impossível de estarmos observando. Com um corte transversal do braço de um instrumento, mostra uma posição da mão mais do que "preparada" para executar qualquer tipo de movimento. Exemplo típico que sempre observamos é quando alguém está com o polegar saindo por cima da escala e precisa fazer uma pestana no acorde seguinte ao que está tocando. O que vemos é o completo desequilíbrio desde o ombro e cotovelo que precisam ser corrigidos antes mesmo da mão poder esticar o indicador para fechar a pestana tanto quanto baixar o polegar para fazer a pressão necessária para soar corretamente o acorde. O compositor não pensa neste tipo de situação, ou seja, tem que haver uma pausa entre cada acorde para o instrumentista se equilibrar. Outra importante informação deste desenho é o fato de que devemos sempre tocar com a ponto do dedo.


Vejamos este desenho esquemático aqui a esquerda. Este é passível de estarmos observando no nosso dia a dia. Duas coisas são importantes ao observarmos, a primeira é que o polegar esquerdo está praticamente abaixo da linha central posterior do braço do instrumento e a outra é que o polegar para equilibrar melhor os dedos ele está no meio do espaço entre os dedos dois e três. Ao meu entender é próximo da perfeição. Entenda o seguinte, trabalhamos com tensão e relaxamento de ambas as mãos e o ideal é que estejamos mais tempo relaxados do que tensionados. Já tentei explicar para algumas pessoas o que é o esforço muscular de quem toca um instrumento. Os meus exemplos foram o do Maratonista que tem que correr praticamente uma maratona todo dia e um Corredor de 100 metros rasos. Ou seja, devemos manter a velocidade de um velocista no tempo de um maratonista. Difícil de entender ?



Sobre o posicionamento relaxado das mãos, vou fazer uma analogia com um Esgrimista. A posição a qual tem que se acostumar no esporte é o de ataque e defesa, próximo da figura ao lado. No caso de querer atacar, tem que ter rapidez na explosão do movimento e para se defender a agilidade para se esquivar do golpe.

Outra analogia que podemos fazer é a dos Grandes Enxadristas. Eles raciocinam que para cada jogada possível, deve-se pensar a frente no mínimo 4 jogadas. É um labirinto mental de possibilidades. Pensando desta forma, o correto é sempre pensar aonde estou e para aonde vou na música. Pense no mínimo em 2 ou  mais compassos a frente do compasso em que estará tocando. Assim conseguirá que o movimento das mãos se antecipe ao posicionamento ideal para a execução das próximas etapas.

Algumas Ponderações Finais sobre a Mão Esquerda
  • O posicionamento da mão sobre o instrumento começa na forma pelo qual ele está sendo empunhado.
  • Sente-se confortavelmente.
  • Utilize um Suporte Ergométrico.
  • Ombros equilibrados e relaxados. 
  • Braços, idem.
  • O pulso não deve ficar quebrado e para tal, o cotovelo deve estar a frente do corpo - posição inicial.  Dependendo é óbvio em que região do instrumento se está tocando, a tendência é posicionar o cotovelo para trás do corpo, se estiver nas casas inferiores do braço do violão. Cada caso um caso.
  • As unhas da mão devem estar sempre aparadas e curtas.
  • Os dedos devem estar paralelos as trastes (na maior parte do tempo).
  • O polegar jamais deve ultrapassar a altura da escala.
Tentei. Se consegui ótimo. Se não, fica um monte de dúvidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use com sabedoria!