domingo, 20 de fevereiro de 2011

Escala do Violino

Importantíssimo - Acima de tudo, se não consegue afinar o seu  instrumento de ouvido, compre um diapasão - para maiores detalhes, consulte aqui. É de suma importância que qualquer instrumento esteja perfeitamente afinado. Só assim, gradativamente começaremos a criar Memória Auditiva. E mais cedo do que imagina, sua percepção começará a funcionar, com um achismo de que tem alguma errada. Assim, afine seu instrumento, pois sem ele estar afinado, você também não afina.

Espelho Não. Escala!!! Esta matéria que escrevi já a algum tempo trazia uma trapizonga que ao ser encaixada em um Violino comum, fazia com que ele se transforma-se em um instrumento temperado. Tem alguns prós e contras nesta história. Sonoridade, não sei! Pois a corda encostando no metal e depois friccionada deve ter um som diferente dela encostando na madeira. Vício na utilização. Após se acostumar com esta escala vejo uma certa dificuldade em se acertar com outro Violino sem ela. Facilidade na afinação. É bem provável. O fato é que o Violino assim como seus primos sempre foi um instrumento não temperado e perpetuou-se como a melhor solução. Cabe a nós encontrar suas escalas na mais perfeita afinação. Trabalho relativamente fácil. Demorado, porém, nada impossível.

O primeiro contato que temos com a mão esquerda no braço do Violino é basicamente cordas soltas e arcadas longas - da mais grave para a aguda , Sol (G), Ré (D), Lá (A) e Mi (E). Sabendo-se que entre Si / Dó e Mi / Fá, não existe Sustenidos ou Bemóis, ou seja estas notas estão eternamente juntas, as notas restantes entre si passam a ter uma entre elas (semi tom). Teoria Básica. Ao lado nesta figura, tem-se praticamente a primeira escala que aprendemos  no Violino, a de Sol Maior.  O posicionamento dos dedos está na linha de baixo, em inglês. 1st Finger trata-se do 1o.Dedo, 2nd.Finger do Segundo e assim sucessivamente. Preocupe-se com os três primeiros dedos - aonde as notas estão nos círculos com fundo cinza.  O 4o.dedo, Minguinho é um dedo particularmente difícil de posicionar e afinar. Sendo de extrema importância, dominar a técnica do 4o.dedo.


Tem um macete aqui que utilizei e funcionou no meu caso. Tenho um afinador digital que prendia na Voluta do Violino em modo clip - captando a vibração do instrumento ou colocava ele na estante da partitura em modo microfone e fazia os exercícios, com um olho na partitura e outro no afinador.  Esse afinador digital pode ser programado nos modos de afinação cromática, Guitarra, Baixo e Violino. Deixei ele em modo cromático, para analisar toda e qualquer nota que ele pudesse captar. Quando o visor dele ficava todo verde, a nota estava afinada. amarelo, quase afinado. E vermelho, completamente fora da afinação. Gastei duas baterias e muita paciência, conseguindo assim, me afinar em pouco tempo. Se lhe servir de sugestão, aqui fica. Pelo tamanho do braço a nota precisa ser encontrada milimetricamente e como costumo dizer, o Violino, assim como todo instrumento não temperado, não é difícil sua aprendizagem. A quantidade de detalhes para se produzir som com qualidade é que é o difícil. Aqui ao lado tem um Carta de Posição dos Dedos e notas, em algumas Escalas F, Bb, Eb e Ab. Tem esse arquivo rodando na Internet em formato PDF, completo com todas as escalas figurativas do braço do Violino. Se quiser visualizá-lo melhor aqui, clique nele e abrirá em uma segunda janela ou clique aqui para baixá-lo do Driver Virtual.

14 comentários:

  1. Parabéns pelo artigo, essa tabela de digitação é uma mão na roda para iniciantes mesmo! Eu uso algo parecido assim para meus alunos.

    Só que há dois detalhes que eu gostaria de chamar a atenção: os trastes e o sistema de afinação.

    Primeiramente, sobre os trastes. São úteis em algumas poucas situações: posso citar como exemplo você ter que fazer uma intervenção com o violino no meio de um show de banda, com as luzes apagadas e aqueles spots piscando e tal; sua frase começando com um fá# - 4º dedo, corda mi, 5ª posição - sendo que você não tem como testar antes e se errar cria uma dissonância muito estranha no contexto da música. Em casos assim, um violino com trastes ajudaria - mas casos assim são poucos. Não é o traste que impõe um temperamento ao instrumento - há muitos instrumentos não-temperados com trastes (cítaras, toda a famíla viol, entre outros). O lado ruim dos trastes é que muita gente os usa como muleta, e não desenvolve a própria percepção auditiva. No geral, não é necessário trastes para o estudo do violino.

    Quanto à afinação, não se apegue ao afinador, principalmente no modo cromático. Por ser um instrumento não-temperado, o temperamento igual (o padrão ocidental, comum em pianos, violões, guitarras etc) não soa bem no violino porque, de fato, o único intervalo puro é a oitava. Os 12 semitons da oitava são desafinados de modo igual para criar intervalos com o mesmo espaço entre cada semitom. Ou seja, é um sistema desafinado - não percebemos isso com clareza porque nosso ouvido é "doutrinado" nisso praticamente desde nosso nascimento.

    O estudo do violino pede, no geral, que se use 3 sistemas de temperamento distintos: o igual, o justo e o pitagórico. O igual vai ser usado quando tocarmos com instrumentos temperados fazendo acompanhamento, tipo duos violino-piano, e mesmo assim, com certa moderação.

    O pitagórico é usado quando nos mantemos numa frase na mesma corda - a frase vai soar melhor, com mais brilho.

    O justo vamos usar a maior parte do tempo: frases que acontecem em mais de uma corda, acordes, cordas duplas, tocando com outros violinos num naipe etc.

    Por que o justo? Porque ele afina intervalos puros. Não vou confundir (muito) sua cabeça com esse lance de sistemas de afinação porque é um estudo muito avançado, mas certas dicas são "fundamentais":

    Ao tocar em grupo (camerata, orquestra, ensemble, quarteto etc etc) deve-se enfatizar as alterações, ou seja, sustenidos e bemóis NÃO SOARAM IGUAIS. Bemóis você afina o mais grave possível (claro, sem trocar a nota), sustenidos o mais agudo possível. Isso vai favorecer o embelezamento da música, vai dar um colorido mais vivo.

    Tocando sozinho, principalmente em acordes e cordas-duplas, devemos respeitar o som que forma - não a posição dos dedos. O resultado tem que ser o mais puro possível, sem batimento ou lobo. Tartini descobriu, no século XVIII, o lance do "terceiro som". Vou resumir: quando você toca duas notas ao mesmo tempo (por exemplo, um intervalo de terça em corda-dupla), os dois sons misturados "criam" uma terceira nota (tem a ver com os harmônicos e a forma que nosso ouvido processa os sons). Aí que entra a dificuldade do estudo de cordas-duplas: além da digitação ser meio desconfortável, você só afina certo quando o "terceiro som" for consonante - ele some. Exemplo disso: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6f/Terzosuono.ogg (começa com o uníssono puro e vai 'desafinando').

    No final de tudo, para resumir. Se preferir usar o afinador, use no modo diatônico. Quando for tocar, preste mais atenção nos sons resultantes do que na sua própria digitação - afinal quando em naipe, todos devemos soar como um só e nas cordas duplas e acordes, os intervalos devem ser puros.

    Caso fique curioso sobre estes assuntos, leia estes artigos e ouça os exemplos nos que tiverem:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Temperamentos_musicais
    http://en.wikipedia.org/wiki/Just_intonation
    http://en.wikipedia.org/wiki/Beat_%28acoustics%29

    Um abraço!
    Rodrigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentários contendo teoria avançada confundem iniciantes.Se vc tiver algum "truque" mais simples todos nós seremos eternamente gratos...

      Excluir
    2. Ederson, certa vez um grande Violinista - Dalbert, entrou na sala da Escola aonde estava estudando e me aconselhou a me preocupar com a qualidade do som que estava produzindo não só em termos de afinação quanto a sonoridade propriamente dita. Obrigado, Dalbert! Grande conselho. Sugiro que preste a atenção em todos os detalhes e seja todo ouvidos na prática, ou seja, o que comentei originalmente e a abordagem do Rodrigo, perfeita diga-se de passagem é o que temos que perceber no final de cada dia de estudo. Percepção Corporal & Audição, andam juntas.
      Obrigado pelo comentário.

      Excluir
  2. Olá, adorei o seu artigo, estou começando agora a tocar violino(aprendendo pela internet, pois na minha cidade não tem professor). Esta escala foi muito útil para mim, e acho que estou tendo agilidade nela porque toco violão desde os 7 anos, requinta, clarineta e saxofone desde os 10. Partitura para mim ler é fácil. O único problema é que tenho uma dúvida , e não achei resposta para ela em nenhum site. Será que você poderia me responder?:
    Por exemplo, quando eu for tocar uma partitura que não tiver em cima o tipo de arcada que devo dar, o que devo fazer? Tocar as arcadas aleatoriamente? Por favor, me responda, preciso muito saber como se faz.

    ResponderExcluir
  3. Taci.... Por favor, olhe em http://violinoacustico.blogspot.com/2011/09/sinais-de-arcadas.html a resposta.
    Obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir
  4. Adorei as Escalas do Violino, são fáceis e práticas em aprender. Muito obrigado pela matéria oferecida.

    Atenciosamente Lucy Silva

    ResponderExcluir
  5. Adorei as Escalas do Violino, são fáceis e práticas em aprender. Muito obrigado pela matéria oferecida.

    Atenciosamente Lucydance

    ResponderExcluir
  6. Adorei as Escalas do Violino, são fáceis e práticas em aprender.

    ResponderExcluir
  7. Boas noites. Adoro o seu blog, está muito completo (então eu que sou iniciante, está óptimo!) Uma coisa que não ficou muito assente para mim foi nomeadamente a matéria que expôs, a escala no violino, e quando li que tem um pdf algures na internet com as várias gamas e sua respectiva posição no violino fiquei estupefacto porque ando à tempos à procura disso. Será que pudia dispôr esse pdf? Eu preciso imenso, mas mesmo imenso!

    ResponderExcluir
  8. Paulo,
    Tudo Bem?
    Pode seguir o último link (clique aqui) e encontrará duas folhas no PDF que foi o que encontrei. A UnitedMusical.com, origem deste arquivo, aponta atualmente para uma página em Chinês Mandarim ou Japonês (!?!?!?!?) e espero não estar infringindo nenhuma lei de copyright ou copyleft.

    Obrigado pelo comentário e estamos no mesmo barco, também estou começando e estou no nível de iniciante, mais alguns anos de estudo, passo para o nível de principiante, depois aprendiz, novato, noviço e finalmente neófito.

    Boa Sorte e Bons Estudos!

    ResponderExcluir
  9. ooi queria saber se pode me ajudar... queria saber quais são os tipos de arcadas de um violino... obgd

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rose, tudo Zen?

      Tenho um material que vou disponibilizar por aqui daqui a alguns dias sobre Arcadas e Golpes de Arco. Poderia por favor, aguardar?

      Obrigado pelo comentário.

      Excluir

Use com sabedoria!